Diversidade Cultural. Cidadania. Cultura Popular. Semiótica e Interpretação.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Bonequeiras de Moscou

 Praça Vermelha, em Moscou.

 Ela não fala inglês e meu russo é capenga. Mesmo assim ela me contava a sua história.  Seu trabalho é totalmente artesanal, mostra como faz tudo a mão, com delicadas e firmes pinceladas.



 A artesã pinta os ovos coloridos e delicadamente desenhados ali mesmo, no espaço da feira, demonstrando o seu fazer. Junto dos objetos que estão a venda, ela expõe uma página de jornal, "GAZETA", onde se pode ver a publicação de uma reportagem sobre a sua arte.
 Não é mesmo impressionante o impacto da Globalização sobre a revitalização, revalorização e ressignificação de fazeres tradicionais???







As "mamushkas" ou "babushkas" são todas pintadas a mão. Variam as cores, os modelos, o tipo de roupinha e mesmo a expressão dos rostinhos. Depois de conversar por um tempo tentando entender, acabei descobrindo que algumas são mais autênticas do que outras.
Sim, todas são pintadas a mão por artesãos russos. Entretanto, algumas recebem um "selo de autenticidade" emitido pelo governo, que permite que sejam vendidas pelo triplo do preço.
O intuito do selo seria garantir que as bonequinhas haviam sido fabricadas na Russia mesmo, e não tinham sido feitas na China, donde conclui-se que já existem também "babushkas" russas feitas na China! Pasmem!

2 comentários:

Arye disse...

... a China faz tudo, né?!... até coisas autênticas ;)
eu adoro essas bonequinhas... em Curitiba, em função da imigração ucraniana e de outros "polacos" do leste europeu, elas são bem comuns e vendidas na feira de artesanato do Largo da Ordem... têm tb os ovos pintados "pysanky"... ai q saudades q me deu da minha gente... bj bj bj, flor

Aline Sapiezinskas disse...

Tu vê...fiquei com vontade de visitar tb essa feira em Curitiba. As feiras estão cada vez mais globais e locais ao mesmo tempo! Impressionante isso.
Saudades de ti, Arie!